A CLIAP - Clínica da Saúde Sexual da Mulher é um centro de referência em reabilitação perineal, obstetrícia e sexualidade humana de Natal. Com profissionais especializados e uma infraestrutura ampla, a clínica preza sempre pela qualidade, realização pessoal e utilização de técnicas modernas com uso de equipamentos de alta tecnologia

+Saúde Sexual da Mulher

Tratamento das disfunções femininas:
Vaginismo, Vulvodínia, Dispareunia,
Diminuição da libido, Ressecamento vaginal,
Disfunção do Orgasmo,
Flatos vaginais e Vagina alargada
através de técnicas modernas e
minimamente invasivas e de baixo custo
(Fisioterapia Pélvica).

Dores no Ato Sexual: Vaginismo, Dispareunia, Vulvodínia e Disfunção Sexual Não-Coital

É normal que a relação sexual seja dolorosa?

 

No mundo todo cerca de quatro em cada dez mulheres sofre com algum tipo de dor durante a relação sexual. O termo dispareunia significa simplesmente "relação sexual dolorosa". A dor pode acontecer após a relação, ou durante o intercurso da relação, apenas durante a penetração ou mesmo antes de a penetração acontecer.

 

Quais são os tipos de dor sexual?

 

Para algumas mulheres o problema não é constante: para elas, a maioria das relações com penetração não é dolorosa, mas a dor acaba aparecendo em uma ou outra relação isolada, com o mesmo parceiro ou não. No entanto, outras mulheres podem apresentar dor em toda e qualquer tentativa de penetração. Em certos casos a mulher sente dor sexual mesmo sem a penetração, apenas pelo estímulo da região genital.

 

DISPAREUNIA: quando a mulher consegue ter relações sexuais sem dor, mas em algumas vezes a dor aparece, de maneira repetitiva. Pode haver dor no momento da penetração, durante o ato sexual ou mesmo antes de a penetração acontecer.

 

VAGINISMO: quando a mulher jamais conseguiu ter uma penetração sem ter dor (seja pelo pênis, por um dedo ou pelo absorvente interno), o problema é conhecido como vaginismo. Cinco em cada cem mulheres pelo mundo apresenta algum grau de vaginismo, onde nos casos mais severos a mulher não consegue ser penetrada de maneira alguma. O tipo primário acontece quando a mulher nunca conseguiu ter uma relação sexual com penetração. No secundário a mulher conseguia ter sexo normal até que, por algum motivo, algum trauma acabou ocasionando o vaginismo 

 

DISFUNÇÃO SEXUAL NÃO-COITAL: quando a mulher sente dor sem a penetração, seja por um estímulo físico, como um carinho na região genital, ou a masturbação, ou mesmo por um estímulo psíquico (simplesmente de pensar ou ouvir falar em sexo).

 

VULVODÍNIA: quando há um desconforto na região vulvar (genitália externa, principalmente entre os pequenos lábios), sem que haja sinais de inflamação (vermelhidão com dor) ou de infecção (inflamação causada por microrganismos), que pode afetar 15% das mulheres.

 

Como tratar?

 

Primeiramente é importante identificar qual é o tipo da disfunção. Consulte um médico ginecologista para saber mais a respeito. O tratamento vai depender, portanto, do grau observado em cada componente. Exercícios de autoconscientização e redescoberta da sexualidade pode ser úteis para a consciência da região genital.

 

Exercícios específicos com o uso do biofeedback com objetivo de melhorar a contração e relaxamento da MAP são fundamentais tanto para a consciência da região genital quanto para a coordenação motora local.

 

A massagem perineal pode ser útil nos trabalhos de dessensibilização e elasticidade da entrada do canal vaginal. 

 

Radiofrequência perineal e o infravermelho promovem uma neovascularização da região perineal, ativação de colágeno e elastina e o relaxamento da musculatura.

 

Qual a duração do tratamento? 

 

O tempo de tratamento vai depender do grau de disfunção e da própria resposta do organismo de cada paciente, podendo variar de 10 a 20 sessões, sendo realizada em média de 02 a 03 vezes por semana com durabilidade de 30 a 40 minutos cada sessão. 

Flatos Vaginais

O que são Flatos Vaginais?

 

Flatos vaginais: Muitas mulheres referem uma certa perda de ar pela vagina, que acontece durante a relação sexual. Ao sair este ar costuma emitir sons, semelhantes aos um flato (ou gás) anal, que pode acabar constrangendo ela e/ou seu parceiro.

 

Mulheres cuja musculatura do assoalho pélvico (MAP) está enfraquecida apresentam um risco maior de entrada/saída de ar da vagina e, portanto, de sofrerem com flatos vaginais. Por sorte, uma musculatura do assoalho pélvico fraca pode ser fortalecida com a fisioterapia pélvica.

 

Como Tratar?

 

Força e resistência da MAP podem ser aumentadas por meio de fisioterapia perineal manual, através exercícios de kegel com o uso do eletromiógrafo e biofeedback ou com cones vaginais. A coordenação motora pode ser melhorada a partir do treino com o ben wa.

 

Qual a duração do tratamento?

 

O tempo de tratamento vai depender do grau de disfunção e da própria resposta do organismo de cada paciente, podendo variar de 10 a 20 sessões, sendo realizada em média de 02 a 03 vezes por semana com durabilidade de 30 a 40 minutos cada sessão. 

Ressecamento Vaginal

O que é o Ressecamento Vaginal?

 

Ressecamento vaginal: é ocasionado principalmente na fase da menopausa e pós, devido a carência de estrógeno hormônio feminino. A lubrificação é produzida pelas paredes vaginais e uterinas, mas principalmente por glândulas próximas da vagina (paravaginais) e da uretra (parauretrais). Ao redor destas glândulas existem músculos (bulboesponjoso e isquicavernosos), cuja contração espreme estas glândulas aumentando em muitas vezes a quantidade de lubrificante jogado na entrada do canal vaginal.

 

Como Tratar?

 

Com o uso da radiofrequência íntima ativando colágeno e elastina promovendo uma neovascularização e os exercícios perineais.

O segredo para a boa lubrificação vaginal é, portanto, ativação dos hormônios feminino e músculos do assoalho pélvico fortes e funcionais.

 

Qual a duração do tratamento?

 

O tempo de tratamento vai depender do grau de disfunção e da própria resposta do organismo de cada paciente, podendo variar de 10 a 20 sessões, sendo realizada em média de 02 a 03 vezes por semana com durabilidade de 30 a 40 minutos cada sessão. 

Agende já sua consulta:

 

CLIAP - Clínica de Fisioterapia

 

Telefones: (84) 2030.4030 | 9.9649.7585
WhatsApp: (84) 9.9649.7585

 

Rua Miguel Barra, 786 - Tirol
CEP.:59014-590 | Natal/RN

 

Horário de Atendimento:

08h às 19h - Segunda a Sexta

Convênios

cliap_convenios.png

Atendemos aos planos Amil, Caixa Saúde, Cassi, Exército (FUSEx), Geap, Marinha (FUSMA), MedMais, Petrobras, Sesi e SulAmérica.
*Nem todas as especialidades são atendidas por todos os planos. Consulte Condições.
**Condições especiais para atendimento particular.

Nossas instalações:

CLIAP_diferenciais.png